Todo mundo guarda um empreendedor dentro de si! E não, você não precisa abrir um negócio para se tornar um, essa não é a única forma de se empreender. Mas com certeza essa é uma ótima forma de aprimorá-lo!

Eu trabalhei como assistente administrativo em uma multinacional por 6 anos. Sempre me considerei uma pessoa ambiciosa, responsável, com boa relação com todos e sempre correspondi aos resultados esperados. Acontece que eu não me projetava muito. Na verdade eu não me projetava nada. Tinha muito medo de me expor e errar. Sabia que isso era uma falha mas como ninguém é perfeito, eu podia conviver com aquilo.

Nesse meio tempo, meu marido sempre comentava em ter um negócio próprio, até que um dia ele começou a procurar um lugar pra alugar e abrir uma loja no ramo dele, moda infantil, e me convidou pra sair da empresa e começar o trabalho, praticamente tocando o negócio sozinha. E eu aceitei o desafio!

Estamos em constante aprendizagem.

Por conta do ambiente e todos os processos serem bem diferentes do que eu estava acostumada, eu me ocupava com todas as atividades da loja. E eu adorava o que eu fazia, queria praticar tudo o quanto possível, pois até então aquela era minha única oportunidade de “estagiar” por todas as áreas de um negócio, ainda por cima, sob minha total responsabilidade! Mas empreender é mais do que administrar. Enquanto eu estava ocupada com processos que, apesar de diferentes da empresa onde eu trabalhava, ainda eram processos, eu perdia a oportunidade de focar a maior parte do meu tempo em busca de informações externas pra aplicar na empresa, além de deixar de dar oportunidades à outros profissionais. Claro que a justificativa tinha que ser a contenção de despesas, mas falou mais alto a administradora e não a empreendedora que, essa sim, sabe que com a ajuda de especialistas, vêm melhores resultados. De fato desenvolvi várias capacidades que eu não imaginava que conseguiria desenvolver, como perder a timidez e me arriscar mais, negociando com fornecedores e oferendo produtos para pessoas que eu mal conhecia. Mas só senti que fui mordida pelo empreendedorismo depois que eu optei por vender o negócio para correr atrás de um sonho antigo. Não estar mais nele me fez enxergá-lo de maneira diferente. Comecei a observar em outros estabelecimentos comerciais falhas e oportunidades e compará-los com os meus próprios, que eu tinha na loja. A mensurar o peso e valor que cada função tem dentro de uma empresa e, como é importante ter uma visão mais ampla do negócio.

Uma vez que você abre seu primeiro negócio, você provavelmente vai quer ter um segundo e talvez até um terceiro. Mas ainda que você não volte a abrir um, você com certeza voltará ao mercado de trabalho de forma diferente, melhor.

Quer compartilhar suas experiências com a gente? Comente aqui embaixo!

Se gostou desse artigo, compartilhe e siga para receber mais!